Divulgação e Protecção do Património do Vale do Bestança
Header

Caminhada pela orla marítima de Vila Nova de Gaia

Junho 4th, 2012 | Posted by admin in Actividades

30 de Junho

Ver fotografias em baixo.

Iniciaremos a caminhada no Largo de Aljubarrota em Vila Nova de Gaia ( junto ao Convento Corpus Christi ).

Seguindo pela margem esquerda do rio Douro, rumaremos em direcção à típica localidade piscatória da Afurada, terra de homens bravos que no dia-a-dia sulcam as águas do Oceano Atlântico para de lá tirarem o necessário sustento para as suas famílias. Homens que partem para a faina conscientes dos perigos que espreitam a cada vaga e de mulheres lutadoras que em terra cuidam dos filhos e tratam da venda do peixe, mulheres que vivem em permanente angústia, enquanto a traineira não toca o cais.

Da Afurada, com a Reserva Natural – Local do Estuário do Douro à nossa direita, continuaremos em direcção à orla marítima ( Lavadores) de onde seguiremos até Espinho.

O passeio proposto vai levar-nos do Cais de Vila Nova de Gaia à cidade de Espinho, sendo o percurso na sua quase totalidade pelo caminho pedonal (passadiço) construído em madeira sobre as dunas das belas praias de Vila Nova de Gaia.

Programa

  • 09h00 – Concentração e início da caminhada
    Cais de Gaia – Largo de Aljubarrota
  • 09h30 – Início da caminhada
  • 16h30 – Hora prevista para a chegada a Espinho
  • ( Regresso de Espinho a Vila Nova de Gaia de comboio )
  • 19h30 – Jantar, mediante marcação prévia *.
  • Limite de inscrições para o jantar: 60 pessoas.

Como pratos principais iremos ter:

Bacalhau com crosta de pão de milho, batata a murro e brócolos ( ou ) naco de vitela grelhado com flor de sal.

Aquando da inscrição indicar o prato de preferência.

* Até ao dia 27, Quarta-feira.

Percurso

Percurso – Parte I

Largo de Aljubarrota ( Cais de Gaia ) – Espinho 21 kms.

Largo de Aljubarrota, Afurada, Lavadores, Salgueiros, Canide, Madalena,Valadares, Francelos, Miramar, ( Senhor da Pedra ) Aguda, Granja e Espinho.

Percurso – Parte II

Estação de Vila Nova de Gaia – Largo de Aljubarrota – 1 Km.

Extensão Total : 22 Kms.

Grau de dificuldade: Médio

Responsabilidade dos Participantes

  • Material individual necessário às condições do percurso e meteorológicas.
  • Condição física e estado e saúde em conformidade com as exigências da caminhada.
  • Seguro de acidentes pessoais.
  • Almoço: Mochila ou em bares de praia e restaurantes ao longo do percurso.
    A escolha é sua!
  • A ADVB declina toda e qualquer responsabilidade, por qualquer acidente ou imprevisto que possa ocorrer ou afectar algum dos participantes.

Sugestões

Protector solar, toalha e fato de banho.

Inscrição/Participação

Sócios e não sócios € 5,00, que inclui: custo do bilhete da viagem de comboio entre Espinho e Vila Nova de Gaia.

Informações / Inscrições

917535075 – José Sampaio;

917619080 – Vaz Pedro;

968013140 – Jorge Ventura.

Aquando da inscrição indicar a opção de participação:

  • Caminhada
  • Caminhada + Jantar

Estacionamento de Viaturas – Importante

Junto ao Largo de Aljubarrota há um parque de estacionamento a pagar.

Em alternativa, nas imediações, existem 2 parques para estacionamento grátis.

Como lá chegar: Saindo do Largo de Aljubarrota e subindo a rua de Serpa Pinto, percorridos +/- 300 metros, virar à direita, entrar na Rua D. Leonor de Freitas em direcção à Escola Superior de Tecnologia da Saúde – tem placa indicativa. Percorrer cerca de 120 metros.

Chegados ao local temos os parques: Um à esquerda ( grande espaço livre e aberto ) e outro à direita propriedade da Sogrape, ( abre às 09h00 – encerra às 20h00 ) com acesso pedonal ao Cais de Gaia.

Vila Nova de Gaia – História do Município

A origem de Vila Nova de Gaia remonta provavelmente a um castro celta. Quando integrada no Império Romano, tomou o nome Cale (ou Gale, uma vez que no Latim Clássico não há uma distinção clara entre as letras e o som “g” e “c”). Este nome é, com grande probabilidade de origem Céltica, um desenvolvimento de “Gall-”, com a qual os Celtas se referiam a eles próprios (outros exemplos podem ser encontrados em “Galicia”, “Gaul”, “Galway”). O próprio rio Douro (Durus em latim), é igualmente celta, construído a partir do Celta “dwr”, que significa água. Durante os tempos romanos, a grande maioria da população viveria na margem sul do Douro, situando-se a norte uma pequena comunidade em torno do porto de águas fundas, no local onde se situa agora a zona ribeirinha do Porto. O nome da cidade do Porto, posteriormente, “Portus Cale”, significaria o Porto (“portus” em latim) da cidade de Gaia. Com o desenvolvimento como centro de trocas comerciais, a margem norte acabou por também crescer em importância, tendo-se aí estabelecido o clero e burgueses.
Com as invasões mouras do século VII D.C., a fronteira “de facto” entre o estado árabe e cristão acabou por se estabelecer por um longo período de tempo no rio Douro, por volta do ano 1000. Com os constantes ataques e contra-ataques, a cidade de Cale, ou Gaia, perdeu a sua população, que se refugiou na margem norte do Rio Douro.

Após a conquista e pacificação dos territórios a sul do Douro, por volta de 1035, com o êxodo e expulsão das populações Muçulmanas, deixando terras férteis abandonadas, os colonos estabeleceram-se novamente em Gaia, em troca por melhores contratos feudais, com os novos senhores das terras conquistadas. Esta nova população refundou a antiga cidade de Cale com o nome Vila Nova de Gaia em torno do castelo e ruínas da velha “Gaia”.

O nome das duas cidades de Porto e Gaia era frequentemente referida em documentos contemporâneos como “villa de Portucale”, e o condado do Reino de Leão em torno da cidade denominado Portucalense. Este condado esteve na origem do posterior reino de Portugal.

( Fonte: Wikipédia )

Praias e Orla Costeira

Vila Nova de Gaia é conhecida pela sua extensa faixa costeira, com aproximadamente 17 km de areal. É o concelho do país com mais praias ostentando o prémio Bandeira Azul. No total, 18 praias receberam o galardão em 2012. A requalificação de toda esta área contemplou a construção de um passadiço em madeira que permite percorrer a frente de mar livre de trânsito, ligando a praia de Lavadores a Espinho.

Ao longo da costa, existem vários locais de interesse para além da actividade balnear, entre os quais se destacam a Capela do Sr. da Pedra em Miramar, a vila piscatória da Aguda e finalmente, o lugar da Granja, uma das mais famosas antigas estâncias balneares portuguesas. A Granja é ainda conhecida por ter sido o local onde Sophia de Mello Breyner Andresen passou grande parte da sua infância e juventude, e fonte de inspiração para os elementos marítimos das suas obras.

( Fonte: Wikipédia )

Ligações Relevantes

  • Câmara Municipal de Gaia
  • Parque Biológico de Gaia
  • ELA – Estação Litoral da Aguda – Fundação
  • http://www.avesdeportugal.info/sitestudouro.html

Fotografias

You can follow any responses to this entry through the RSS 2.0 Both comments and pings are currently closed.